PSDB apoiaria Marina Silva?

marina

A pesquisa Datafolha de fim de ano divulgada mostrou Lula (PT) na frente no primeiro turno em todos os cenários. Com Marina Silva (Rede) em segundo, Aécio Neves (PSDB) em terceiro, Jair Bolsonaro (PSC) em quarto e Ciro Gomes (PDT) em quinto.

O detalhe da pesquisa são as simulações de segundo turno, Lula e Marina venceriam todos os presidenciáveis do PSDB; no confronto direto com Marna, Lula perderia. Lula está com várias denúncias pendentes e aceitas sendo que já é réu em quatro delas. Se conseguir se livrar de todas elas, Lula tem um eleitorado fiel que pode levá-lo ao segundo turno. Mas outro obstáculo que Lula teria que passar é a alta rejeição, só é menor que a rejeição do presidente Michel Temer.

O PSDB está perdendo eleitores mais conservadores que votavam nos tucanos nas eleições presidenciais por falta de opção e eles caminhando para Bolsonaro. Bolsonaro está em empate técnico com Aécio (11% x 9%, para o tucano) e está em empate matemático com José Serra e Geraldo Alckmin (8% e 9%, respectivamente).

Uma pergunta surge. Marina apoiou Aécio no segundo turno de 2014, desagradando muita gente tanto do partido que disputou o primeiro turno (PSB) e do movimento que viraria partido, a Rede Sustentabilidade. Um segundo turno entre Marina e Lula, ou Marina e Bolsonaro, o PSDB apoiaria Marina Silva?

2017 será o teste definitivo para o governo de Michel Temer, e também para os postulantes a ocupar a cadeira que Temer ocupa.

Parece que Marina Silva caiu na real

marina-rede

Para Folha de São Paulo disse o seguinte: “Depois de ter passado por uma eleição sofrendo a violência que foi feita em 2014 pelo marketing selvagem [referência a ataques da campanha de Dilma Rousseff], será que é possível manter o diálogo, essa ideia de que é preciso compor programaticamente, de que existem pessoas boas em todos os partidos? Me parece que isso não prosperou”.

Marina foi atacada até na sua honra ao ameaçar quebrar a polarização PT-PSDB na eleição de 2014. Mesmo assim, Marina continuou com um discurso ambíguo e meio confuso; uma hora diz ser favorável ao impeachment, mas que a melhor alternativa para resolver a crise é a ação de cassação de chapa no TSE. Apesar de considerar seu partido recém-criado, a Rede Sustentabilidade, como independente do governo Michel Temer, o partido vota majoritariamente como oposição. E fez alianças questionáveis para a sua primeira eleição.

Após o primeiro turno das eleições 2016, a Rede sofreu uma debandada de apoiadores de Marina nas eleições presidenciais de 2010 e 2014. Em carta aberta alegaram para saída “vazio de posicionamento político” e que a Rede está caminhando para o centro político que é, para eles, “conservador”.

Talvez essa rasteira de até então fiéis seguidores tenha feita Marina Silva acordar para vida. Ela viu que é fisicamente impossível manter um pé em cada canoa. Que é preciso, em certos momentos, tomar lado e decisões mais firmes e não ficar exitando flutuando em ambos os lados.

Datafolha confirma a negação popular aos políticos

marina-silva

Pesquisa Datafolha realizada em 17 e 18 de março mostra que os acontecimentos das últimas semanas fizeram a rejeição ao ex-presidente Lula explodir para 57% e o apoio ao impeachment da presidente Dilma subir para 68%.

Na contra mão o rival de Dilma na eleição, o Senador Aécio Neves, viu seus números minguarem. Marina Silva é quem está absolvendo ganhos com o descrédito de PT e PSDB. A provável candidata presidencial da Rede Sustentabilidade vence em todos os cenários pesquisados, ela têm entre 21 e 24%. No principal cenário, Marina aparece com 21%, Aécio com 19% e Lula em terceiro, com 17%.

Mas os números estão muito próximos e vantagens pequenas uma da outra, o que comprova a insatisfação geral com a política. O cenário também é propício para o aparecimento de Salvadores da Pátria. E figuras do tipo de Jair Bolsonaro.

A Rede abraçou a tese de que a ação de cassação da chapa Dilma-Temer no TSE é melhor do que o impeachment e entregar a presidência ao PMDB. Essa pesquisa reforça o entusiasmo do partido e de Marina com a possibilidade de antecipação da eleição presidencial. Todavia, essa rejeição popular aos políticos de todos os partidos deixa a próxima eleição mais imprevisível que a eleição de 2014. E vou mais longe: a eleição presidencial 2018, ou antes, tem tudo para ser mais disputada que 1989. Sem esquecer as eleições municipais em alguns meses.

Governo Dilma ganha fôlego no final de 2015; 2016 e 2018 imprevisíveis

datafolha-DEZ15

O governo da presidente Dilma Rousseff está ganhando fôlego justamente no momento que o impeachment foi deflagrado pelo presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB/RJ).

Pesquisa do Instituto Datafolha averiguando a popularidade do governo mostra recuo na reprovação popular. É o segundo recuo na taxa de reprovação consecutivo depois de ter atingido o recorde de 71%.

De 67% na pesquisa do Datafolha de novembro caiu para 65% agora. Quem acha o governo regular se manteve em 22%. Quem aprova o governo passou de 10 para 12%. Chegou a bater em 8% de ótimo e bom durante 2015. Não é exagero de concluir que Dilma Rousseff termina o ano no lucro. Escapou do impeachment pelo menos em 2015, o STF garantiu poder ao Senado Federal de rejeitar o mesmo, onde o PMDB é menos feroz ao governo, se passar na Câmara, Eduardo Cunha e o próprio PMDB estão sendo emparedados na justiça. Dilma fechou o ano recuperando um pouco da popularidade perdida. Vai passar o natal e a virada mais tranquila.

Mas a população continua descontente com o governo. Inflação de dois dígitos ao ano, desemprego subindo, dólar a R$ 4, juros nas alturas, retração do PIB, a economia continua se deteriorando sem boas perspectivas. A batalha final do impeachment ficou para 2016. O ano vindouro promete muitas surpresas e emoções fortes. A continuação da operação Lava-jato, a ação de impugnação da chapa Dilma/Temer no TSE começará a ser julgada e ainda é ano de eleições municipais. E como vai ficar o humor do Senador Renan Calheiros PMDB/AL) com o governo depois da quebra de sigilo.

Tudo pesado na balança, a insatisfação popular com o governo e com a própria presidente continua, mas a população se deu em conta que não adianta afastar Dilma e o PT do poder e colocar Michel Temer e o PMDB no lugar. Seria trocar seis por meia-dúzia, o sujo pelo mal lavado.

Corrida presidencial 2018

A oposição está no caminho errado. É o que mostra essa pesquisa Datafolha. A aposta da oposição no famigerado quanto pior, melhor não é boa. O Senador Aécio Neves (PSDB) continua liderando, mas perdeu força comparando com outras pesquisas nas quais seu nome aparecia com mais 30% de intenções de voto. Apesar de todo dia ter o seu nome e de seu familiares nos jornais com notícias desfavoráveis, Lula (PT) continua com uma base de votos que o garantiria ao menos no segundo turno. Marina Silva (Rede) continua bem cotada. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), perdeu força – não foi uma boa bater em alunos… Os principais nomes do PMDB perderiam para Luciana Genro (PSOL). Ciro Gomes (PDT) ficou com uma média de 6,5%. E o polêmico deputado Jair Bolsonaro (PP/RJ) ficou com uma média de 4,5% nos quatro cenários pesquisados.

datafolha2018-dezembro2015

Sem Partido

logomarcas-eleicoes-2014Os logos dos candidatos em campanhas políticas são essenciais para o eleitor conhecer os candidatos e poder escolher um. Na última campanha presidencial, no entanto, ocorreu uma novidade nas logomarcas dos principais concorrentes a presidente.

Tanto a candidata que concorria à reeleição quanto os dois principais da oposição não colocaram o partido que representavam na marca eleitoral.

É fato que os partidos no Brasil estão desacreditados, descaracterizados, sem ideologias. Não por menos. Nada menos que 33 partidos existentes – os últimos a ganharem o registro no TSE foi o Partido Novo e a Rede Sustentabilidade, de Marina Silva – no Brasil atualmente. É impossível existir mais de 30 ideologias partidárias. Muitos desses partidos só existem por causa do fundo partidário que é público e para promover seus líderes (donos).

Os principais candidatos a presidente preferiram esconder o seu partido na peça de divulgação de suas candidaturas. É sintomático. Sou a favor de candidaturas independentes, mas os partidos são pilares importantes em uma democracia representativa.

Censura aos partidos pequenos

Restringiram os debates eleitorais na TV aos candidatos de partidos que tiverem mais de 9 deputados na Câmara e deixa nas mãos dos candidatos de partidos maiores aceitarem ou não a participação dos candidatos chamados de “nanicos”.

Já existe a desigualdade nos tempos do horário eleitoral, os debates amenizam essa brutal diferença de um candidato ter 12 minutos contra alguns minutos de uns e segundos de outros para se apresentarem aos eleitores. Candidatos “nanicos” atrapalham, mas alguns esquentam e até enriquecem os cada vez mais chatos debates eleitorais. Essa cláusula é antidemocrática e não ajuda em nada a melhorar a política brasileira.