Bolsonaro já não é mais uma “piada” eleitoral

A candidatura presidencial de Jair Bolsonaro já não é mais para ser encarada como uma “piada”. Marina Silva e ele se consolidam na disputa pela segunda posição, segundo pesquisa Datafolha, com viés de queda de Marina e ascensão de Bolsonaro. Bolsonaro está à frente de Marina numericamente (16% a 15%) e com o dobro do provável tucano na disputa o governador Geraldo Alckmin (8%); tem o triplo de Ciro Gomes (PDT), 5%.

Com João Doria (PSDB) no lugar de Alckmin não muda muito o cenário pró-Bolsonaro. O prefeito de São Paulo subiu de 9% para 10%, está melhor que seu “padrinho” político, só que em empate técnico.

O ex-presidente Lula mantém-se na dianteira da corrida presidencial com 30%. É o teto do petista bem antes de Lula vencer a primeira de suas duas eleições e dificilmente ele sobe mais do que isso ou cai mesmo se for condenado por Sérgio Moro. São eleitores fiéis do ex-presidente, o teto do PT e memória afetiva de um período de bonança para o Brasil, principalmente para a camada mais pobre da população que sofre na atual situação com desemprego em quase 15%.

A grande dúvida é se Lula se viabiliza judicialmente para o pleito. Mesmo condenado em primeira instância – há cinco ações contra ele nas varas de Curitiba e Brasília entre outros inquéritos – Lula recorreria para o TRF4 (segunda instância de Porto Alegre) e STJ (Brasília). Se mantida a condenação na segunda instância, aí viraria ficha suja e ficaria impedido de disputar – além de ser preso (provavelmente) – a eleição.

Em um provável cenário sem Lula, Marina lidera com 22%; Bolsonaro mantém os 16%; o ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa aparece com 12%; Ciro e Alckmin empatam em 9%. É o cenário muito próximo do que vai ser.

Lula segue sendo o primeiro em intenção de voto e o mais rejeitado (46%); Barbosa (16%) e Doria (20%) são os postulantes à cadeira que Temer ocupa com menos rejeição.

Tirando a situação jurídica de Lula e a indefinição no PSDB, o quadro eleitoral de 2018 deve seguir a tendência das eleições do “brexit” no Reino Unido, EUA e França. Sai a polarização mais mercado ou mais estado; entra a polarização nacionalismo vs globalização. Uma lado já definiu seu candidato: Jair Bolsonaro; já o outro lado, está tentando achar um representante viável, o que favorece Bolsonaro essa indecisão.

Anúncios

Um comentário sobre “Bolsonaro já não é mais uma “piada” eleitoral

  1. Bolsonaro jamais foi uma piada eleitoral, mas foi melhor que os fãs do PT e PSDB pensassem assim, pois o subestimaram. Não foram capazes de combatê-lo de forma inteligente, e o resultado se aproxima: em 2019, ele será PRESIDENTE.

    Mas quem sabe o chato do FHC consiga unir PT e PSDB numa frente contra ele …. seria patético, mas contribuiria para que a derrota seja menos horrível.

Os comentários estão desativados.