Lava Jato não é a Redentora da Nação

A “direita xucra” e os justiceiros das redes (anti) sociais estão ON FIRE porque o STF decidiu soltar José Dirceu – 3 a 2, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski venceram Celso de Mello e o relator Edson Fachin. E ai de quem ousar criticar a “redentora” da nação, vai sentir a ira da turma e as dez pragas do Egito.

Uma histeria dominou o país com a Lava Jato e se intensificou pós-impeachment da ex-presidente Dilma: Tudo agora é “para barrar” a Redentora da Nação. Por mais que discordo de decisões da justiça, principalmente de tribunais superiores, não fico acusando os juízes de pertencer a esquemas. Decisão da justiça não se discute, se cumpre.

Se a lei não permite prisão preventiva definitiva (nome já diz: “preventiva”), não adianta espernear culpando o “mensageiro” – ministros e juízes. E menos ainda criar mil teorias conspiratórias acusando os ministros do STF de um “acordão com tudo”. A Lava Jato está fazendo um grande serviço ao Brasil. É um fato inegável. Mas comete equívocos.

Quando procuradores sentem uma “ameaça” contra a operação é armado um verdadeiro circo, com power point esdrúxulo, coletivas como se fossem anunciar a cura para o câncer, a turma ensandecida nas redes fazem um carnaval deprimente. Procuradores se acham os “salvadores da pátria”; um fã-clube que acha que a operação vai salvar o país e por aí vai. Vou decepcionar muita gente, mas a Lava Jato não é a Redentora que vai queimar na fogueira Santa os corruptos e levar os “homens de bem” para Terra Prometida.

Anúncios