João Doria, Soninha e os “idiotas úteis”

Só na cabeça doentia de gente que não perde a oportunidade de problematizar tudo – em treta de BBB à cena de novela – para achar que a demissão de Soninha Francine da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social de São Paulo, pelo prefeito João Doria, foi “machismo”.

Como já virou uma marca do jeito Doria de governar, ele comunicou a saída de Soninha da secretaria para Câmara em um vídeo na internet. Soninha volta para Câmara de Vereadores onde tem mandato e vai integrar o conselho da mesma secretaria que está deixando.

Feministas que ficam gritando por igualdade de gênero, mas ao mesmo tempo querem privilégios para mulheres e não igualdade em tudo. Querem cotas no parlamento, mais mulheres no ministério, nos governos, na política, nos negócios, só que não aceitam um tratamento igual que um homem recebe.

O prefeito teceu vários elogios para Soninha, disse que a troca na secretaria era de mudança no modelo que será implementado, mas não adianta. A canalha pega qualquer pretexto para transformar em uma bandeira política. O Lula pode chamar as mulheres de “grelo duro”, mas João Doria não pode trocar o comando de uma secretaria de seu governo para não ser carimbado de “machista”.

Anúncios