A campanha do medo está de volta

terrorismo-eleitoral

Dizem que em eleição o vale-tudo é regra. E o PT está seguindo esse lema nas últimas eleições. Em 2014, o partido não se incomodou em atacar seus adversários na disputa presidencial e às vezes de forma desleal. Primeiro, com Eduardo Campos, um grande aliado meses antes, em um texto apócrifo na internet intitulado “A balada de Eduardo Campos”. Marina Silva, que ficou no PT por 24 anos fundando o partido no Acre e sendo vereadora, deputada e senadora, foi o próximo alvo.

Marina assumiu a campanha de Eduardo Campos após o acidente que vitimou o candidato do PSB. Ela passou de vice para titular da chapa e subiu como raio nas pesquisas chegando a liderar a disputa ao lado de Dilma e ultrapassando em um segundo turno. Aí, começou o bombardeio de João Santana na TV/rádio e da militância na internet.

Acusações, acusações, com mais acusações e tome acusações contra Marina. Algumas bem baixas e caluniosas, como insinuar franqueza para ser presidente pela aparência física. A campanha de Dilma também acusou Marina de não ter apoio parlamentar para governar, a comparando com Jânio Quadros e Fernando Collor – a ironia da história foi a presidente Dilma sofrendo impeachment por falta de base parlamentar…

Mas o que marcou mesmo foram as inserções do prato de comida que o governo Marina – posteriormente o governo Aécio – tiraria dos pobres. Só a reeleição de Dilma para salvar o país do retrocesso. O retrocesso aconteceu com Dilma no maior estelionato eleitoral já praticado no Brasil.

Agora é a vez de Fernando Haddad na difícil batalha pela reeleição à prefeitura de São Paulo usar a mesma estratégia sem João Santana, o “mago” da propaganda política e responsável pelas últimas campanhas petista (inclusive de Haddad) foi preso e só solto após fazer acordo de delação premiada. Haddad está bem atrás nas pesquisas faltando 10 dias para o primeiro turno, além do tempo escasso, uma rejeição brutal e sem João Santana. O PT aprendeu a fazer campanha do jeito que seus adversários faziam contra Lula, quando ele ainda sonhava chegar ao poder. É a campanha do medo. Regina Duarte fez escola.

Anúncios