O caso Quitandinha confirma que todas as discussões na internet viram dicotomias

preto-branco

O linchamento virtual ainda vai provocar uma grande tragédia. O que estão fazendo com a Quitandinha, bar da Vila Madalena/SP, é lamentável. Vem uma denúncia via redes sociais e já preparam as pedras sem o direito de defesa do dono do bar. Uma denúncia mal explicada e correm para fazer evento em Facebbok contra o estabelecimento ignorando os rapazes que supostamente cometeram o assédio. Nota 0 (ZERO) para esse neo-ativismo virtual.

O bar publicou um vídeo desmentindo o relato publicado em textão no Facebook de que o local cometeu negligência. Aí entro no Twitter e vejo que Quitandinha está nos TTs – Trending Topics. Clico e dou de cara com tweets colocando defeitos no vídeo e também que quando “reaças e misóginos estão de um lado, você tem que ficar do outro lado”. Como se fosse uma disputa do Bem contra o Mal. A internet transformou qualquer discussão em uma dicotomia, seja uma discussão de política, de TV ou tipos de comida.

De toda essa polêmica tiro uma conclusão: você pode mostrar todas as provas possíveis desmentindo um fato para um feminista (homem ou mulher) que não vai adiantar nada. Quem tem um conceito pré-definido e uma opinião formada não vai mudar seu posicionamento. Pode esgotar todos os seus argumentos fundamentados em provas definitivas, mas será o mesmo que falar para uma parede, ou seja, perda de tempo. Além do desgaste físico, mental e distanciamento caso a pessoa com qual for discutir for próxima a você.

Anúncios