A vitimização do PT e a arma eleitoral que perdeu a força

Lula, Haddad e Maluf

O PT criou a divisão do país em ricos e pobres; nordeste e sul; homens e mulheres; gays e héteros; negros e brancos. Foi o PT que acirrou a polarização com o PSDB e transformou os tucanos em inimigos da pátria, e entreguistas das riquezas da nação aos estrangeiros.

Agora, o PT vem propor um pacto de união para o país sair da crise. É muito cinismo. Cadê aquele partido que faria o ‘diabo’ para vencer a eleição? Cadê os filmes da campanha de 2014 comparando Marina Silva ao Collor e Jânio Quadros além de insinuar que ela governaria para banqueiros, principalmente do Itau?

Teve também as calúnias contra Aécio Neves no segundo turno tiradas do sub-mundo da internet. O PT cria vilões para encaixar na narrativa do partido nas eleições. E funcionou por três eleições. Só que esse expediente, combinado com a vitimização de que o partido é vítima da elite que não aceita as conquistas sociais promovidas por Lula e Dilma, pode não funcionar para as próximas disputas eleitorais.

Vai chegar o momento do PT se reinventar, de verdade, ou será condenado ao rebaixamento de partido nanico. O partido da esperança não tem mais o que apresentar ao povo fora se fazer de perseguido, o que não é.

Anúncios