Governo Dilma ganha fôlego no final de 2015; 2016 e 2018 imprevisíveis

datafolha-DEZ15

O governo da presidente Dilma Rousseff está ganhando fôlego justamente no momento que o impeachment foi deflagrado pelo presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB/RJ).

Pesquisa do Instituto Datafolha averiguando a popularidade do governo mostra recuo na reprovação popular. É o segundo recuo na taxa de reprovação consecutivo depois de ter atingido o recorde de 71%.

De 67% na pesquisa do Datafolha de novembro caiu para 65% agora. Quem acha o governo regular se manteve em 22%. Quem aprova o governo passou de 10 para 12%. Chegou a bater em 8% de ótimo e bom durante 2015. Não é exagero de concluir que Dilma Rousseff termina o ano no lucro. Escapou do impeachment pelo menos em 2015, o STF garantiu poder ao Senado Federal de rejeitar o mesmo, onde o PMDB é menos feroz ao governo, se passar na Câmara, Eduardo Cunha e o próprio PMDB estão sendo emparedados na justiça. Dilma fechou o ano recuperando um pouco da popularidade perdida. Vai passar o natal e a virada mais tranquila.

Mas a população continua descontente com o governo. Inflação de dois dígitos ao ano, desemprego subindo, dólar a R$ 4, juros nas alturas, retração do PIB, a economia continua se deteriorando sem boas perspectivas. A batalha final do impeachment ficou para 2016. O ano vindouro promete muitas surpresas e emoções fortes. A continuação da operação Lava-jato, a ação de impugnação da chapa Dilma/Temer no TSE começará a ser julgada e ainda é ano de eleições municipais. E como vai ficar o humor do Senador Renan Calheiros PMDB/AL) com o governo depois da quebra de sigilo.

Tudo pesado na balança, a insatisfação popular com o governo e com a própria presidente continua, mas a população se deu em conta que não adianta afastar Dilma e o PT do poder e colocar Michel Temer e o PMDB no lugar. Seria trocar seis por meia-dúzia, o sujo pelo mal lavado.

Corrida presidencial 2018

A oposição está no caminho errado. É o que mostra essa pesquisa Datafolha. A aposta da oposição no famigerado quanto pior, melhor não é boa. O Senador Aécio Neves (PSDB) continua liderando, mas perdeu força comparando com outras pesquisas nas quais seu nome aparecia com mais 30% de intenções de voto. Apesar de todo dia ter o seu nome e de seu familiares nos jornais com notícias desfavoráveis, Lula (PT) continua com uma base de votos que o garantiria ao menos no segundo turno. Marina Silva (Rede) continua bem cotada. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), perdeu força – não foi uma boa bater em alunos… Os principais nomes do PMDB perderiam para Luciana Genro (PSOL). Ciro Gomes (PDT) ficou com uma média de 6,5%. E o polêmico deputado Jair Bolsonaro (PP/RJ) ficou com uma média de 4,5% nos quatro cenários pesquisados.

datafolha2018-dezembro2015

Anúncios