Ciro Gomes, em 2002: “PT tem tradição de sectarismo”

Lula-Dilma-Ciro-Aecio

Ciro Gomes é um político que foge um pouco do tradicional, apesar de ter surgido de uma oligarquia que governa o Ceará desde a redemocratização do estado, em 1982. Mas seu grupo político surgiu para pôr fim a uma dinastia de governadores militares, um projeto para tirar o Ceará das mãos de coronéis e leva-lo ao progresso.

Ciro já foi filiado a diversos partidos políticos. Começou a sua vida partidária no PDS (partido do regime militar), foi para o PMDB na abertura política, ajudou a fundar o PSDB, depois de divergências com os tucanos de São Paulo em especial com José Serra migrou para o PPS; na sequência se filiou ao PSB, foi para o novato PROS quando Eduardo Campos rompeu com o PT, mas ficou pouco tempo. Agora, Ciro se encontra no PDT na luta contra o impeachment da presidente Dilma que o acha um “golpe à democracia” e articula uma nova candidatura à presidência, o que seria a sua terceira tentativa de chegar ao Planalto. Ele disputou em 1998 e 2002.

Na eleição de 2002, Ciro chegou a liderança nas pesquisas no primeiro turno. Só que caiu e ficou em quarto lugar na eleição, com 10 milhões de votos. Ciro foi alvejado por ataques de adversários, principalmente do candidato Serra (PSDB). No inicio do texto escrevi que Ciro Gomes foge um pouco do político tradicional. Ciro não mede palavras contra seus adversários políticos nem com eleitores que o aborrece e isso é um dos motivos da rejeição do eleitorado nacional ao seu nome.

Em sabatina para o Canal Livre, da TV Bandeirantes, já na reta final da eleição de 2002, Ciro se defendeu e atacou os adversários, atacou os institutos de pesquisas em época de eleições, falou dos problemas do Brasil e os desafios do novo presidente. Ciro Gomes se colocava como “a mudança segura”, mesmo slogan que Aécio Neves (PSDB) usou contra Marina Silva (PSB) na campanha de 2014.

Lula: Para Ciro era um voto de “protesto compreensível, protesto legítimo e justificável, mas que no dia seguinte as pessoas vão lembrar que tem um país para governar”

Acusação ao candidato Serra de armar a situação na qual Ciro chamou um eleitor de “burro” na Bahia

Sobre os institutos de pesquisas

Ciro Gomes, em 2002: “PT tem tradição de sectarismo”

Ciro defendendo o voto impresso para a urna eletrônica

Reformas e críticas ao governo de FHC

Segurança pública

Alianças para o segundo turno e mulheres

Anúncios