O aliado de ontem é o conspirador de hoje

nova-velha-republica

Tudo o que acontece agora na política brasileira, a agonia do governo Dilma, nasceu em 2010. O presidente Lula tinha uma popularidade fenomenal, de quase 90% de aprovação. A inflação controlada, economia crescendo quase 10%, políticas de distribuição de renda tirando milhões de brasileiros da extrema pobreza. Não precisava do PMDB para o PT vencer aquela eleição. Quem fosse o candidato apoiado por Lula venceria sem a companhia do PMDB.

Mas Lula não queria correr risco devolver a faixa presidencial ao PSDB, buscou fazer uma ampla aliança em torno de Dilma Rousseff para garantir o máximo de tempo no horário eleitoral e a tal governabilidade no parlamento. A governabilidade com o PMDB se mostrou falha e na eleição não trouxe votos para chapa. Pior: na eleição de 2014 o PMDB teve muita dissidência e em muitos estados o partido não apoiou a chapa presidencial que tinha o vice.

Lula poderia ter escolhido um vice do PSB, de Eduardo Campos, que ainda era aliado do PT. Ou um nome do PDT, do PCdoB, de outro partido da base que tinha mais história com o petismo. É ingenuidade pensar que se vence eleição sem aliança. Só que esse modelo de alianças baseado no pragmatismo se esgotou. O novo modelo de alianças tem que ser programático, de alianças que não sejam só pensando no tempo de TV, coligações com partidos que pensam mais ou menos iguais, uma coligação coesa e harmônica.

Anúncios

Um comentário sobre “O aliado de ontem é o conspirador de hoje

Os comentários estão desativados.