A eleição municipal em uma cidade do interior do nordeste

Valmar e Britinho (vice)
Valmar e Britinho (vice)

A eleição 2012 na cidade de Tejuçuoca, no interior do Ceará, foi muito disputada. Como toda eleição para prefeito numa cidade pequena, a disputa foi muito polarizada, dividiu a cidade no meio.

O candidato da situação foi Valmar Mota Bernardo (PDT), então secretário de Ação Social e Trabalho e ex-vereador, contra o candidato da oposição, o ex-prefeito por três mandatos (1989-1992/1997-2000/2001-2004) João da Silva Mota Filho (PTB). Quem não votava em Valmar Bernardo, votava em João Mota e vice-versa. Era a disputa do 12 contra o 14 (números das legendas dos dois candidatos).

A coligação de Valmar Bernardo chamava seu adversário de “ficha suja” porque o Ministério Público Eleitoral-CE denunciou e a justiça eleitoral barrou a candidatura de João Mota com base na Lei da Ficha Limpa, uma lei de origem popular aprovada pelo Congresso Nacional que tinha sua primeira experiência naquela eleição em todo Brasil. Mesmo barrado no TRE-CE (Tribunal Regional Eleitoral), João Mota poderia fazer campanha normalmente, mas seus votos seriam considerados nulos até que o tribunal eleitoral julgasse o recurso do candidato. O candidato barrado pela Lei da Ficha Limpa poderia renunciar à sua candidatura na véspera da eleição e colocar outro candidato em seu lugar. João Mota apostava que reverteria a decisão do TRE-CE, não abriu mão da candidatura e foi até o fim.

Valmar Bernardo teve o apoio do atual prefeito Edilardo Eufrásio (PSDB), que por sua vez teve o apoio de João Mota na sua eleição em 2004. Sem apoio do prefeito que o ajudou a eleger na disputa mais acirrada no município – Edilardo venceu a sua primeira eleição por inacreditáveis 40 votos de vantagem -, João Mota foi pedir apoio para sua candidatura na oposição ao prefeito. Conseguiu juntar uma ampla base de partidos de oposição (PRB/PT/PTB/PMDB/PSB/PV) e mais alguns nomes que eram situação, mas não concordavam com o apoio de Edilardo a Valmar. Foi o caso do vereador Jorge Mota Filho (PMDB), conhecido como Mota Filho ou Motinha.

Mota Filho queria que seu nome fosse o indicado para representar a situação na disputa para sucessão do prefeito. Edilardo optou por apoiar Valmar Bernardo e Motinha também não contou com o apoio do deputado federal Danilo Forte (PMDB), o deputado optou pela candidatura do candidato do PDT. Sem apoio do prefeito e do deputado federal do próprio partido, Mota Filho abriu mão da disputa e partiu para apoiar o seu tio João Mota. A esposa de Mota Filha, Eurice Mota (PSDB), que era a atual vice-prefeita, também acompanhou a escolha do marido e se lançou candidata à vereadora pela coligação da oposição mesmo seu partido apoiando a candidatura de Valmar.

Um fato curioso naquela eleição é que as duas coligações fizeram um acordo: Eurice Mota apoiaria o candidato da oposição mesmo oficialmente pertencendo à coligação da situação sem correr o risco de ser denunciada por infidelidade partidária; Dr. Dimas Forte (PT), irmão do deputado Danilo Forte, seria candidato a vereador pela oposição apoiando o candidato da situação, uma verdadeira confusão que nosso sistema eleitoral proporciona, principalmente nas eleições proporcionais. Essa bagunça acontece porque a reforma política não sai nunca. Fica na promessa e no papel engavetado no Congresso. Uma reforma que acabe com as ridículas coligações proporcionais para o Legislativo – vereadores e deputados – é urgente.

No dia da eleição, Valmar obteve 6.033 votos. Como os votos de João Mota foram considerados nulos, Valmar foi eleito prefeito de Tejuçuoca com 100% dos votos válidos. A coligação formada por PRB/PT/PTB/PMDB/PSB/PV foi a mais votada com 4.690 votos (39,69%) e elegeu 5 vereadores; a coligação formada por PR/PSDB conseguiu 3.965 votos (33,55%) e elegeu 3 vereadores; a terceira coligação era formada por PP/PDT/PPS e obteve 3.162 votos (26,76%) elegendo 3 vereadores, também. As coligações formadas por PR/PSDB e PP/PDT/PPS apoiavam Valmar Bernardo. Assim, o prefeito conseguiu eleger 6 dos 11 vereadores possíveis conseguindo maioria simples na Câmara de Vereadores.

Anúncios