Liberdade com responsabilidade

Levy-luciana

Eu já não ia com cara do Levy Fidelix antes do debate da noite de ontem na TV Record. Sempre o achei um oportunista cretino.  Não entendia quem o achava engraçado e curtia só pela zoeira. Levy Fidelix é consequência da falta de uma reforma política que tanto faz falta no Brasil. Uma reforma política que não permita a reprodução de partidos nanicos sem nenhuma utilidade para o debate público, não dê oportunidade para oportunistas usufruírem do fundo partidário (público) e imbecis não incitarem o ódio contra um segmento da sociedade diante de milhões de pessoas.

Em momentos como esses aparecem os relativistas defendendo que todos têm o direito a liberdade de expressão, mesmo para vomitar preconceito contra gays, negros, etc. Primeiro, defendo e defenderei sempre a liberdade de expressão. Segundo, é melhor as máscaras caírem para saber quem é quem. Agora, defendo liberdade com responsabilidade. Você não pode ir para uma TV para milhões de pessoas em um debate presidencial e jogar um balde de preconceito incitando o ódio contra gays, negros, brancos, nordestinos, paulistas, cariocas, japonês, americano, judeus e muçulmanos.

Quem é tolerante não vai sair batendo e matando gays, dizem alguns. E quem é intolerante? O que o Levy fez no fim de noite do último domingo (28) foi incitar o ódio contra uma classe que já é bastante discriminada pelo seu simples direito de ser como quiser ser. O que o cretino do Levy fez foi legitimar as agressões e assassinatos de gays. E o pior é que recebe eco dos imbecis de sempre nas redes sociais. Não duvido que o PRTB consiga eleger um bom número de deputados para Câmara Federal e assembleias legislativas de vários estados e até surpreenda conseguindo um número de votos expressivos para presidente (1% ou 2% dos votos válidos).

Resumindo porque eu não gosto (nem tenho competência para tanto) de textos grandes: defendo a liberdade de expressão para todos, mas com responsabilidade e bom senso. O que seu Levy Fidelix fez foi entrar para a história como a maior barbaridade já proferida em um debate presidencial. Não tem como defender a liberdade de expressão nesse caso mesmo se você for muito liberal ou anarquista.

Anúncios