Datafolha e Ibope: números conflitantes

Os resultados apontados pelas últimas pesquisas do Datafolha e do Ibope estão chamando muita atenção e, por que não dizer, desconfiança.  No Datafolha, Dilma aparece com 36%, Aécio com 20%, Campos com 8% e o Pastor Everaldo com 3%. No Ibope, Dilma aparece com 38%, Aécio com 22%, Campos com 8% e o Pastor Everaldo com 3%. Até aí, tudo dentro da normalidade. A polêmica se dá nas simulações de segundo turno.

No Datafolha, Dilma e Aécio aparecem tecnicamente empatados dentro da margem de erro da pesquisa que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Dilma com 44% e Aécio com 40%. Contra Eduardo Campos, a presidente Dilma venceria por 45% a 38%. No Ibope, Dilma, 41%, Aécio, 33%. Dilma, 41%, Campos, 29%.

Há uma disparidade nas duas pesquisas.  O Datafolha dá empate técnico entre Dilma e Aécio, já o Ibope dá uma diferença de oito pontos em favor de Dilma. O mesmo Datafolha dá sete pontos de vantagem à Dilma contra Campos enquanto o Ibope dá 12 pontos de vantagem para a atual presidente. Como as duas pesquisas foram divulgadas quase que simultaneamente, sem grandes acontecimentos no intervalo entre ambas, chama atenção a disparidade nos números.

Não sou desses que desconfia de pesquisas eleitorais, pelo contrário. Para mim, as pesquisas são a grande atração das eleições. Nelas que você acompanha a evolução dos candidatos e se estão ou não agradando a população. E também não sou desses que alimentam teorias conspiratórias. Só gosto de teorias conspiratórias em filmes, séries e novelas e mesmo assim se forem boas e convincentes.

Mas é notória uma diferença de metodologia nos dois principais Institutos. Isso porque preferi focar só nesses dois. Também chama atenção a diferença em relação aos números do Ibope e Datafolha a pesquisa Sensus que é divulgada na revista IstoÉ. Está claro que alguém precisa rever sua metodologia nas pesquisas eleitorais, ou os dois. Com a palavra, Carlos Augusto Montenegro, do Ibope, e Mauro Paulino, do Datafolha.

Anúncios