Não existe amor em SP?

Aecio-Neves-FH

Fica um pouco difícil de compreender a real estratégia que o PSDB está adotando para aumentar o potencial político do presidenciável e senador Aécio Neves. Aécio, em agosto do ano passado, iniciou sua agenda política no estado de SP, maior colégio eleitoral do país, mas parece não receber o apoio necessário do governador do Estado e tucano Geraldo Alckmin.

Durante as visitas nas cidades médias do interior do estado, o governador não acompanhou Aécio em sua maioria. Há 20 dias, o governador esteve em Araçatuba e foi recepcionado apenas pelo deputado estadual Dilador Borges e, num evento tucano realizado numa cervejaria da cidade, encontrou-se com Aloysio Nunes e outros membros do partido.

A ausência de Alckmin tem sido alvo de críticas internas de alguns tucanos que apoiam Aécio. Membros do partido afirmam que a montagem paralela de outra estrutura de governo pode ser algo prejudicial ao PSDB há poucos meses das eleições.

Inicialmente, Alckmin preferiu não acompanhar Aécio nos encontros para não se comprometer com José Serra, que ainda pleiteava uma vaga para concorrer à presidência pelo partido. Porém, mesmo após Serra ter desistido de se candidatar, o governador não parece ter feito esforços para engajar apoio ao senador.

Nas visitas de Aécio, a crítica ao atual governo são parte da pauta, naturalmente, além da sequência de argumentos onde o senador cita a desvalorização da Petrobras após o PT assumir o governo federal. Segundo ele, a petrolífera perdeu 55% de seu valor durante o governo Dilma.

PT
Enquanto isso, a aprovação de Dilma manteve os mesmos percentuais de novembro do ano passado, segundo a Datafolha. A preocupação em evitar protestos durante a Copa do Mundo, em junho, e em tentar remendar as feridas que a economia sofreu nos últimos meses têm feito os dias da presidenta mais difíceis.

Ainda assim, mesmo com a queda nas últimas pesquisas, a clara divisão nas intenções de voto entre Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) colocam a presidenta como a favorita em outubro. Aécio tenta convencer um eleitorado que pouco conhece suas ideias e projetos, enquanto Eduardo Campos aposta no sucesso durante a colheita dos votos dos “marineiros”.

Kaio Esteves é jornalista em Araçatuba. Atua como repórter do jornal O Liberal Regional.

Anúncios