E o mundo endoidou

Por Aloisio Villar

Não bastou o mês de junho que vivemos quando uma manifestação de alguns estudantes contra o aumento de vinte centavos na passagem em São Paulo se transformou na maior série de manifestações que vivemos até hoje. Não bastou o Brasil virar de pernas para o ar e pessoas irem as ruas protestar, reclamar seus direitos, tomar spray de pimenta e tiro de borracha enquanto alguns vandalizavam e outros comemoravam gols do Brasil.

Não bastou nada disso. Julho sentiu ciúmes e quis começar “pauleira” também. Mas não foi só aqui no Brasil, foi pelo mundo todo. Uma semana intensa que nos faz pensar que o mês promete.

Os Maias falaram que o mundo acabaria em 21 de dezembro de 2012 e pelo visto eles estavam certos.

Tivemos de tudo nessa semana começando pelo Egito. Estávamos tão entretidos com nossas manifestações e revoltas que pouco percebemos a dos outros. Na Turquia protesto que começou devido a remoção de árvores de uma praça deixou o país em polvorosa. Mas o maior ainda estava por vir.

Veio do Egito que não ganhava as páginas do mundo de tal forma desde que o “É o Tchan” fez uma música lhe homenageando. Ok, exagerei, mas tinha que ter essa piada.

O Egito sempre teve envolvido em confusões. Desde os tempos da construção das pirâmides, Cleópatra, etc. Mas a coisa parecia ter melhorando quando no começo dessa década com a “primavera árabe” ter eleito presidente de forma democrática.

Mas a coisa não foi bem assim. O presidente Mohammed Morsi nunca foi unanimidade. Voltou seu mandato para os muçulmanos, expediu um decreto concedendo a si mesmo mais poderes e a crise na economia fez que a resistência a seu governo aumentasse a cada dia.

Até que semana passada milhões de egípcios foram às ruas pedir a saída do presidente. Sim, eu disse milhões, uma coisa impactante que fez as manifestações brasileiras parecerem a torcida do Botafogo reunida pra ver um jogo em Volta Redonda. Ao contrário daqui quando, graças a Deus, o exército não quis se meter na crise lá eles se animaram e se meteram.

Com a desculpa de que foi chamado pelo povo para intervir o exército depôs o presidente, dissolveu o parlamento e o Egito mais uma vez se encontra em chamas sem saber qual será o seu futuro. Porque por experiência própria sabemos que colocar o exército na rua é fácil. Difícil é fazê-lo voltar para o quartel.

O mundo repudia o que ocorreu no Egito enquanto os Estados Unidos se encontram em uma sinuca de bico. Apesar de não aceitarem o que ocorreu, não podem dizer isso explicitamente porque no momento que isso acontecer tem que cortar muito do dinheiro que manda para o país e o Egito sempre foi seu aliado.

Estados Unidos sempre estão metidos em confusões e nessa semana resolveram se meter em várias.

Além de se meterem nessa se meteram em uma que envolvia a Bolívia.

O presidente da Bolívia foi tratado como corinthiano em seu país e praticamente ficou preso na Áustria por treze horas. Não pôde embarcar no avião e sair do país porque nações como Espanha, Itália, França e Portugal não permitiram o sobrevoo por seus países.

E por que isso ocorreu?

Aí entram os Estados Unidos. Porque havia a suspeita de que o ex-agente da CIA, Edward Snowden, estaria dentro do avião. E por quê Edward não poderia estar no avião? Porque o rapaz virou aquilo que Bezerra da Silva chamava de “caguete”. Explanou informações de espionagem americana que causaram grande desconforto principalmente na Europa.

Como o próprio Bezerra sabiamente falava “caguete amanhece com a boca cheia de formiga” ou nesse caso em mãos americanas o que dá no mesmo. Edward há meses vive ou vivia em um aeroporto de Moscou e não pode ou podia sair dali sob risco de ser preso.

Acharam que o agente estava com o boliviano e por isso causaram esse constrangimento. Evo Morales ficou preso horas no aeroporto até que descobriram que Edward não estava com ele permitido que seu avião decolasse. Como também diz o ditado popular “filho feio não tem pai” e ninguém quer assumir de onde partiu a história que o procurado estaria no avião. Um joga a culpa para o outro e ninguém diz se a ordem de não deixar decolar partiu do governo americano. Nem mesmo um “foi mal aí” foi dito por esses governantes.

Países como a Venezuela agora acenam com a possibilidade de servir como exílio para Edward. Nesse momento ninguém sabe ao certo onde ele está. Mas sabe-se que não estava no voo, mas caso estivesse no Brasil poderia estar em um voo gratuito da FAB.

Porque alguns brasileiros privilegiados viajaram de graça mostrando que aceitaram o clamor das ruas pelo passe livre instituindo esse benefício para eles próprios. O presidente da câmara, do senado, que alguns gostam de chamar de “Fora Renan” e o super-herói nacional Joaquim Barbosa foram alguns que se beneficiaram dessa viagem com parentes sem pagar nem os vinte centavos da diferença.

O deputado Henrique Eduardo Alves disse na hora que iria devolver o dinheiro economizado, o “Fora Renan” no começo foi arrogante e disse que fizera nada de errado, depois mudou de idéia e também disse que irá devolver. E o Joaquim? Esse falou nada e nem sei se vai falar porque ganhou imunidade do povo brasileiro que desde Tiradentes acredita em Messias, homens perfeitos quando isso não condiz com o mundo em que vivemos e muito menos o país que moramos.

Já o Feliciano..Não, nessa confusão ele não estava. Estava mais preocupado em curar gays nem que fosse lhes enchendo de beijos.

E assim segue o avião Brasil desgovernado. Dilma caiu bruscamente nas pesquisas e tem hoje sua reeleição ameaçada. Como a eleição não é hoje acho que ela se elege facilmente em 2014. Até porque existem poucas coisas mais incompetentes que nossa oposição. Talvez os governos europeus e egípcios se igualem.

Tanto que, pasmem, as pesquisas mostraram que quem mais cresceu e mais poderia ameaçar uma vitória de Dilma seria Lula. Que nada mais é que o Dr Brown de nossa Marty Mcfly nesse “De volta para o futuro” onde o DeLorean é um país que passa por turbulência observado por ETs da Veja.

O Brasil é um país que tem ETs reacionários. Esse país é sensacional.
Aos poucos a confusão faz com que a possibilidade de plebiscito se reduza. O congresso não gostou de ter a bomba jogada em seu colo e tenta sabotar o projeto, inclusive aliados da presidenta que se diz abandonada. No que tudo isso vai dar? Não sei, só que o vinagre ainda faz efeito e espero com o tempo e o boicote político não vire água e caia pelo ralo desperdiçado.

O mundo na verdade não endoidou. Ele apenas foi mais mundo que nunca com todas as suas contradições, injustiças, traições e deboche com a opinião pública.

Acho que na verdade ele precisava enlouquecer.

Anúncios